domingo, 28 de fevereiro de 2010

Sou nordestino,sim sinhô!

Amigos!

Eu estava preparando um material,sobre abelhas nativas,para publicar no blog,quando fui procurar,nos arquivos do computador um "cd" para ficar ouvindo,enquanto digitava.

Após,olhar alguns títulos,escolhi um cd de Luiz Gonzaga,pois,como a maioria dos nordestinos,principalmente aqueles nascidos no interior(meu caso),sou fã desse símbolo da música nordestina.

Ao começar a ouvir o cd,eu me dei conta,que sou cada vez mais apaixonado,pelas coisas da minha terra.E já mudei,o foco daquilo que iria escrever.

Na próxima postagem,voltarei à falar de abelhas nativas,mas,no momento irei escrever um pouco sobre as coisas simples do interior nordestino,que pra mim são muito importantes.


Meu cariri paraibano.

Por ter nascido,em sítio e ser filho de um vaqueiro,a luta com os animais sempre me fascinou.Eu gosto de andar à cavalo;tirar leite das vacas;ouvir o "aboio" dos vaqueiros,(que estão cada vez mais raros);acordar com o canto dos pássaros;assistir ao nascer do sol;ouvir as histórias dos mais velhos,ou seja,eu sou uma pessoa do interior,um "matuto".

Moro em João Pessoa,adoro à minha cidade,mas não esqueço do meu cariri;quando eu estou lá,os problemas desaparecem,fico mais leve.

Sempre estou indo ao cariri,mas fico imaginando aquelas pessoas que estão no sudeste do país,morrendo de saudades da sua "terrinha",e não teem condições financeiras de voltar,deve ser muito triste,querer voltar e não ter condições financeiras para isso.

O sítio que a minha mãe mora,é dos meus avós paternos,que teem:101 anos(meu avô)e 96 anos(minha avó),eles já possuíram casa em algumas cidades,mas,nunca quiseram sair do sítio.Meu avô sempre disse,que se tivesse que ir morar em uma cidade,morreria mais rápido.

Talvez seja,por isso que chegaram tão longe,pelo modo de vida do interior:sem comida industrializada,sem o estresse das grandes cidades,sem a fumaça dos carros,sem a violência,sem os vícios...

Quantos dos nossos irmãos,nordestinos estão vivendo hoje nas grandes cidades,nas favelas,marginalizados,por falta de oportunidades na vida.

Os governantes,deveriam ter políticas públicas de fixação do homem,em suas áreas de origem,dando meios de sobrevivência dignos,evitando assim o crescimento desordenado das grandes cidades.

Existem formas de se,melhorar à vida do homem do semi-árido nordestino;o que falta é vontade política para isso!

Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.
João Pessoa,PB.
Postar um comentário