quinta-feira, 27 de maio de 2010

Alternativas para o semiárido nordestino.






-Quem quer saber de defender um pé de imburana,rapaz?Isso é coisa pra “cabra besta”,gente que não tem o que fazer,e fica inventando isso,eu quero saber se um pé de mato vai salvar a vida de alguém,...é muito fácil vir com essa conversa de preservação,...eu queria ver se fossem eles que estivessem na minha situação ,se eles não fariam a mesma coisa?
-Realmente,uma imburana não vai salvar ninguém,mas o problema é que não é apenas uma única árvore que você vai cortar,e as outras?quantas árvores você já cortou,”por essas bandas”?
-Cortei muitas,as esse é o único jeito de arrumar a feira...ou você acha que uma imburana vale mais que meus “moleques”?se não fosse essas toras de imburana que eu vendo,pra fazer tábuas,eu ia viver de quê,eu ia matar meus filhos de fome?
-Eu sei que não é fácil,mas,veja que as grandes imburanas estão cada vez mais difíceis de se encontrar,cada vez você tem que ir mais longe ,no meio dessa caatinga,...já dizia meu avô,de onde se tira e não se repõe,acaba-se,e isso parece que está mais perto do que nós imaginava-nos...temos que arrumar outro meio de vida,outra coisa pra fazer e conseguir o dinheiro da feira...
-Meu amigo,por aqui não adianta plantar nada,pois a seca acaba com tudo,...se você tiver um animal,não consegue alimentá-lo durante a seca...qual é o negócio que se pode ter num lugar desse?
-Olhe,eu estava conversando com um menino,filho de seu João,aquele que mora na capital...à respeito da dificuldade de se conseguir renda por aqui,e ele me disse que nós temos que tentar sobreviver com aquilo que a caatinga nos dá...
-E não é isso que eu estou fazendo?
-Sim,mas sem acabar com a caatinga,pois,ele disse que já tem partes da caatinga que está virando deserto,...devido justamente,ao corte das árvores,às queimadas,e ao uso desordenado dos recursos naturais,por parte do homem...
-Então me diga,o que nós podemos fazer para conseguir dinheiro,sem cortar e vender,essas madeiras...
-Segundo ele estava me dizendo,nós temos que formar uma associação,com os nossos vizinhos,familiares,conhecidos,...ele disse que pode ajudar na organização,dar umas dicas...
-Sim e isso vai nos ajudar em quê?
-Calma,eu ainda não terminei...depois de fundar a associação,nós vamos tentar conseguir apoio dos órgãos,do governo,(Bancos,Emater,Embrapa,Universidades,Prefeitura,...),vamos fazer alguns treinamentos,cursos...
-Pronto!agora depois de velho,eu vou ter que ir pra escola...?
-Tem que ser assim,pra se fazer algo dar certo,temos que estudar,aprender novas técnicas,só assim poderemos mudar nossa vida.
-E ele disse,o que nós vamos fazer com essa tal associação?
-Claro!Ele acha que um negócio que daria certo,por aqui,é a criação de abelhas.
-Criação de quê?
-De abelhas,exatamente isso que você ouviu.
-Se qualquer um pode cortar um pé de imburana pra tirar o mel,quem precisa criar abelhas?
-Mas com a criação racional de abelhas nativas,não vamos ter que cortar mais as árvores para tirar o mel,pelo contrário,vamos preservar as árvores que ainda existem por aqui,pois elas são muito importantes para que as abelhas produzam mel.
-Segundo disse o filho de seu João,se nós aprendermos o manejo correto,as abelhasnativas de nossa região,irão ter uma boa produção de mel por aqui,e essa produção tende à crescer ,conforme nós dominamos mais as técnicas de manejo racional.
-E as abelhas nativas,vão ser criadas em caixas?
-Sim,elas podem e devem ser criadas em caixas racionais.Por exemplo,nós poderemos criar a jandaira,pois,o seu mel é um dos mais valorizados,e ela se adapta bem à criação racional,também podemos criar a manduri,,a moça branca e a cupira.
-Tá certo,vamos reunir os vizinhos e tentar formar essa associação,pois,pior do que está não pode ficar.
-É isso aí,com força,garra,trabalho e vontade de vencer as dificuldades,que certamente aparecerão,as coisas ficam mais fáceis.
-Se tudo der certo,nós vamos vender mel para o país todo,porque,o mel produzido no nosso semiárido paraibano é considerado orgânico,pois por aqui não existem cultivos comerciais,não se utiliza agrotóxicoa,pesticidas,nem defensivos agrículas.Além disso, o mel dessas abelhas nativas é considerado medicinal e também é bastante procurado por pessoas,que querem alimentos naturais.
-Eu espero reunir as pessoas no sábado,eu já falei com o filho de seu João,ele vai lá,nos ajudar na organização e no encaminhamento da documentação.


Pronto,o primeiro passo para mudar essa história,já foi dado,com iniciativas como essa,o homem que vive no semiárido nordestino,tem uma forma de se manter na sua região,sem destruir os poucos recursos naturais que ainda restam,ou seja viver de forma sustentável,esse é o meu sonho,que espero tornar realidade um dia.


Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.

Postar um comentário