domingo, 30 de outubro de 2011

A imburana de cambão.


Amigos!

Ultimamente,tenho recebido alguns emails,com dúvidas sobre algumas abelhas nativas,e também com relação à algumas plantas nativas do nordeste brasileiro e que são indispensáveis para as abelhas,e para toda a caatinga.



Em um desses emails,um amigo me perguntava sobre a imburana de cambão ou imburana de espinhos,pois não conhecia essa planta pessoalmente,só a conhecia através da internet.
Então,diante dessas dúvidas e da importância de se plantar árvores nativas,por todo esse país,eu resolvi fazer uma postagem,sobre a imburana.



Dentre as árvores da caatinga,com maior importância para as abelhas nativas e africanizadas,a imburana de cambão,ou imburana de espinhos(Bursera Leptophloeos) se destaca,por ser a espécie mais procurada e utilizada para nidificação,da maioria das espécies de abelhas(digo maioria,pois a Cupira,utiliza o cupinzeiro para nidificar),as outras duas espécies de plantas nativas mais procuradas são,o imbuzeiro e a catingueira.


As abelhas,também utilizam muito a resina da imburana,misturada com cera(cerume),para vedação e organização interna da colônia.



Por ser a mais utilizadas pelas abelhas,para fazer seus ninhos,a imburana passa por um momento preocupante,pois os meleiros,derrubam uma árvore centenária,apenas para ter acesso ao mel,e esse gesto tem diminuído de forma drástica o número de árvores velhas(as que têm ocos,e servem para as abelhas nidificarem)e está cada vez mais difícil ver uma grande imburana,sem ao menos uma cicatriz,causada pelo machado.

                  Tronco de imburana,com uma cicatriz,causada pelo machado dos meleiros.


A imburana tem uma altura média de 5 metros,tem uma madeira bem leve e mole(quando seca),e por essa característica é muito utilizada para artesanato.



Como a maioria das árvores da caatinga,perde suas folhas na época da estiagem.



É uma árvore fácil de multiplicar,pois suas estacas enraízam com facilidade,o que ajuda nos processos de reflorestamentos em áreas de caatinga.



Para serem plantadas,basta cortar algumas estacas(galhos de diferentes diâmetros)e deixá-los em pé,encostados em uma cerca,por exemplo,pois, após algum tempo,as estacas começarão a enraizar e brotarão novos galhos.A partir desse ponto,você deve fazer covas, e colocar uma estaca por cova,coloque a terra em volta da estaca,para lhe dar sustentação e a natureza se encarregará do resto.

Essa técnica é muito vantajosa,pois se você plantar uma imburana a partir da semente,ela demorará muito para se tornar uma árvore adulta,e na maioria das vezes,os animais "comem",a pequena muda.Enquanto que as mudas feitas a partir das estacas,terão um desenvolvimento bem mais rápido e, devido a sua altura,os animais não conseguem alcançar os galhos mais altos,o que garante a sobrevivência da nova árvore.


Estacas de imburana,(apenas em pé)já enraizadas,com novos galhos e prontas para o plantio.


OBS.:Muitas pessoas plantam os galhos,direto,não os deixam ficar por algum tempo em pé como eu faço,é apenas uma questão pessoal.



Era costume no interior do nordeste brasileiro,se construir cercas vivas utilizando estacas de imburana,mas com a modernidade e o uso do arame farpado,essa prática caiu em desuso,infelizmente.



As árvores que tiveram seus galhos cortados(podados),não sofrem nenhum dano,portanto na existe nenhuma agressão à natureza durante esse processo;pelo contrário,se esse costume virasse“moda”a imburana e mais algumas plantas da nossa caatinga,teriam a chance de permanecerem vivas.

                     Bonsai de imburana.


Quem cria abelhas nativas,deve ter sempre em mente,que a sua atividade depende diretamente da existências das plantas,e ele tem que fazer a sua parte,para diminuir o impacto causado pelas constantes derrubadas das árvores nativas,por todo o nosso país.

Portanto,plantem árvores nativas e levem beleza,proteção e amor para todo o seu mundo.


Abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.


Postar um comentário