terça-feira, 22 de novembro de 2011

Meu sertão.


Meu sertão,meu berço e lar

Lugar,lindo de se ver

Não me canso de escrever,

E aos poucos retratar,

Convido-te para entrar,

Nesse meu mundo real,

Com um jeito especial,

Pois é meu reino encantado,

Foi por Deus abençoado,

E não conheço outro igual.



Lugar de homem valente,

Lutador e destemido,

Que nunca será vencido,

Vai tocando a vida em frente,

Às vezes,cria um “repente”

Outras vezes,um “pé-quebrado”

No final,o resultado

Você pode conferir,

Nas coisas,que escrevo,aqui

Nesse meu verso rimado.


Sertão,lugar de beleza

Da abelha jandaíra,

Da manduri e Cupira,

Retratos da natureza,

Pois representam,as riquezas

Do nordeste brasileiro,

Aonde seu pioneiro,

Lutou para preservar,

As tradições do lugar,

Pra mostrar ao mundo inteiro.



Aqui,quando a chuva cai

Há uma transformação,

Toda planta do sertão,

Acorda,agradece ao pai

Logo,o sertanejo vai

Preparar o seu “roçado”,

Ele trabalha,animado

Pois a terra está molhada,

E a semente “estourada”,

É o milagre,esperado.


Abelhas,que tem aqui

Nativas,da região

Criadas,nesse sertão

Moça branca,manduri

A tubiba,eu mesmo vi

Valente,e bem defensiva

E mais algumas nativas

A canudo e a pimenta,

É o que mais se comenta,

Como elas são produtivas.




A caatinga,preservada

Com plantas e animais,

Dos meus avós,aos meus pais

Eu sigo,nessa empreitada

Se uma árvore é cortada,

Planto,uma novamente

E vamos seguindo em frente,

Para salvar o sertão,

Acabo a destruição,

E ajudo à minha gente.



Abraço.
Paulo Braz.
Meliponário Braz.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Aroeira da praia.




A aroeira da praia(schinus terebinthifolius),também  conhecida por aroeira pimenteira,é uma árvore de médio porte,podendo alcançar de 5 á 9 metros de altura.
É encontrada por quase todo o litoral brasileiro,e também por diversos estados,fora da área do litoral.



Ela é uma planta muito utilizada para arborização das cidades,principalmente aqui no nordeste onde,devido ao sol forte,ela tem um crescimento rápido;por esse motivo,também é bastante utilizada em áreas de reflorestamentos.

Essa árvore é considerada uma planta medicinal,por possuir propriedades cicatrizantes e adstringentes.



É uma árvore muito importante para quem cria abelhas,pois suas pequenas flores são altamente atrativas para as abelhas,que além do néctar e pólen,retirados das flores,também encontram(no caule),uma resina muito atrativa,perfumada e muito utilizada na mistura com cera,(formando o cerume)essa resina,também é utilizada para vedar frestas nas caixas.





Pode ser multiplicada por sementes e por estacas,o que facilita muito a sua propagação.

O néctar dessa planta produz um mel de ótima qualidade. 


Eu estou sempre plantando mudas,por toda a vizinhança,nas praças e terrenos baldios,pois sei da festa que minhas abelhas fazem ao encontrarem uma aroeira da praia florida;e com certeza a nossa natureza agradece.



Abraço.
Paulo Braz.
Meliponário Braz.


terça-feira, 8 de novembro de 2011

O juazeiro.



Milagre da natureza,

Essa planta,se destaca

Nesse livro,ele é a capa

Pois,mostra sua beleza

No sertão,ela é riqueza

Alimenta os animais,

Juazeiro,tu jamais

Terás teu nome esquecido,

Tua fama tem crescido,

E tu,te destacas mais.



Em pleno mês de dezembro,

Com a terra ressequida,

Surge o milagre da vida,

Tu estás verde,eu relembro

Em julho,agosto e setembro,

Enquanto a seca começa,

Sertanejo,faz promessa

Para o “inverno”chegar,

E para o verde voltar,

Para isso,ele tem pressa.



O marmeleiro secou,

A catingueira,também

Só o juazeiro,tem

Força,beleza e vigor

Aonde o trabalhador,

Dorme um sono,ao meio dia

A sombra traz alegria,

Para esse homem,cansado

E,ao ser abençoado,

Rabisca,essa poesia.



“Doutor”,não sabe explicar

Como o juazeiro faz,

Pra ficar verde demais,

Com seca,em todo o lugar

É difícil acreditar,

Ao ver esse verde,forte

Nesse cenário de morte,

Aonde a seca domina,

Até o galo campina,

Partiu,e deixou o “norte”.



A natureza,é assim

Nos mostra,a força que tem

Eu,melhor do que ninguém

Aceito,o que vem pra mim

As vezes,achando ruim

Outras vezes,bom demais

Mas tudo,que a vida trás

Deve ser bem entendido,

Pois você,tendo vivido

Não se esquecerá,jamais.



Abraço.

Paulo Braz.

Meliponário Braz.




terça-feira, 1 de novembro de 2011

Raízes no cariri paraibano.



Cariri,quanta falta tu me faz

Noite e dia,eu sonho retornar

Ao local,onde a família Braz

Encontrou seu abrigo,berço e lar.



Quantas coisas,me fizeste compreender

Tuas aulas,me acompanham eternamente

Pois ali,me tornei um novo ser

Nessa terra,onde nasceu minha gente.



A caatinga,sempre bela e singular

Ajudou-me a lutar por esse chão,

Minha alma,encontrou nesse lugar

O segredo para tanta gratidão.



A saudade,machuca e dói no peito

Entristece,esse coração matuto

Mesmo assim,essa dor só terá jeito

Eu voltando,pois ao longe estou de luto.



És tão linda,como a abelha jandaíra

O teu solo,me traz felicidade

És tão doce,igual ao mel da Cupira

Tu me passas,força,luz e liberdade.         



Tuas árvores,me conhecem muito bem

Pois,foi nelas que aprendi a sonhar

Nessas sombras,que hoje me convém

Escrever um poema,à te exaltar.



Cariri,onde está meu coração

Onde,estão as raízes,que seguram

A família,pra mim é a razão

Quando sinto-me doente,eles me curam.



Abraço.

Paulo Braz.

Meliponário Braz.