sábado, 24 de janeiro de 2015

O clima no semiárido nordestino ,e os cuidados com as abelhas nativas.



Amigos! 


Infelizmente as previsões climáticas, para o semiárido brasileiro não são animadoras e, se essas previsões se confirmarem, a situação ficará muito complicada para os todos os seres que vivem nesse importante bioma;que por sinal é a região semiárida mais habitada do mundo.



Imburana de cambão,no meio da caatinga.




Além da falta de alimento para os animais (Domésticos e silvestres),a falta de água está se tornando um grave problema, pois em muitas regiões, os reservatórios (Açudes e barragens)já estão com níveis de água crítico, e o abastecimento d'água está ameaçado.



Uma das alternativas, para essa falta d'água, seria a perfuração de poços ;só que esse serviço deveria ser realizado pelos órgãos públicos , mas quando existe alguma ação nesse sentido,essa ação acontece de forma bem tímida (Pelo menos, aqui na Paraíba),e essas ações são insuficientes para amenizarem os efeitos da grande estiagem que estamos atravessando.


Com a estiagem prolongada ,todos os "seres da caatinga" sofrem; e as abelhas nativas ,apesar de serem adaptadas à essa região ,não conseguiram armazenar alimento suficiente ,nos anos anteriores ,para se manterem saudáveis e ativas ,e por isso, precisam dos cuidados dos meliponicultores.

É imprescindível a alimentação complementar de subsistência ,para que as colônias possam atravessar mais esse período de escassez dos alimentos naturais (Néctar e pólen) ,de forma tranquila e sem haver perdas de famílias ,pela falta desses alimentos.



 Flores de jurema.



Flores de marmeleiro.




 Imbuzeiro,com frutos.

O meliponicultor deve acompanhar as colônias com cuidado, e sempre que houver necessidade ,deve fornecer alimentação artificial (Energética e proteica) ,para que as abelhas continuem a realizar as suas "tarefas" de forma natural e sem haver o "enfraquecimento" das colônias.


Essa alimentação artificial complementar, já é bem conhecida e divulgada pela maioria dos meliponicultores e é preparada à base de açúcar e água ,sendo duas partes de água, para cada parte de açúcar (Alimentação energética).
Alguns meliponicultores utilizam uma parte de açúcar para uma parte de água ;mas eu utilizo essa receita que acabei de escrever ,e as abelhas aceitam muito bem e "respondem "de forma positiva ao trato com essa mistura.


Colônia de jandaíras.

Já a alimentação proteica, é composta por ingredientes que possam "substituir" o pólen (Indispensável para o desenvolvimento e a manutenção da colônia).

Pode-se utilizar pólen de Apis ,misturado com mel e servido às abelhas ,ou levedo de cerveja ,também mistura-se com mel e servido no interior da "caixa" .Após a mistura do pólen de Apis,com o mel,coloque um pouco do pólen das Abelhas nativas,retirados dos potes lacrados;para que os microrganismos presentes nesse pólen,ajudem na estabilização da mistura.

Existem meliponicultores utilizam extrato de soja ,para preparam esse alimento ,mas eu particularmente não utilizo esse extrato , pois a soja produzida em nosso país ,é "transgênica", ou seja, modificada geneticamente ,e não sabemos ainda quais as consequências que o consumo desses grãos, pode trazer para nós, nem para as abelhas e demais animais.


Além da alimentação complementar ,as abelhas precisam de sombra ,pois as altas temperaturas e os raios solares, atingindo diretamente as "caixas" , irão matar as crias novas, derreter o cerume e levar à morte dessas famílias;como acontece com certa frequência nessas épocas de grandes estiagens.


Embora as abelhas nativas não utilizem muita água ,como as Apis ,é sempre bom manter um reservatório com água ,próximo ao meliponário ,para que as abelhas possam coletar a água que necessitam para misturar á terra coletada ,e que utilizam para diminuir o espaço interno;para escurecer o interior da caixa,caso haja alguma entrada de luz;para confeccionar a estrutura da entrada e  para ajudar no controle da temperatura interna.

É importante que esse reservatório contenha água de boa qualidade e, que  tenha alguns "gravetos",para evitar que as abelhas se afoguem.


O importante é o meliponicultor ,conhecer o manejo racional e estar sempre acompanhando o desenvolvimento de suas colônias ,para que possa interferir ,caso seja necessário.



 Termino essa postagem ,esperando que essas previsões de seca ,não se confirmem e que o nosso semiárido volte a exibir o seu verde encantador ;animando o sertanejo e trazendo de volta a exuberância da vida ,com toda a sua explosão de sons,cores e aromas.




Abraço. 
Paulo Romero. 
Meliponário Braz.