sábado, 29 de outubro de 2016

Fundação da Associação Nordestina dos Criadores de Abelhas sem ferrão ANCASF.


Amigos!

Apesar das dificuldades  que a nossa meliponicultura nordestina vem enfrentando nesses últimos anos (Pois estamos atravessando o quinto ano seguido de estiagens,e a nossa caatinga quase não apresenta a sua face mais bela),tive a grata surpresa de ser convidado para participar da reunião de fundação da ASSOCIAÇÃO NORDESTINA DOS CRIADORES DE ABELHAS SEM FERRÃO(ANCASF).




A reunião aconteceu nesse último sábado dia 22/10/2016, na Sociedade Nordestina dos Criadores, em Recife, PE.

Eu fui convidado pelos amigos Chagas, Selma e Gonzaga, e foi uma grande satisfação participar desse momento tão importante para a meliponicultura Nordestina e Brasileira.

 Estiveram presentes Meliponicultores de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Claro que os Meliponicultores dos outros estados nordestinos foram convidados; mas infelizmente não puderam participar dessa reunião.

Após a discussão e algumas mudanças no estatuto social, esse foi aprovado e o  amigo Gonzaga, que é biólogo com extenso trabalho com abelhas, e um Meliponicultor apaixonado pelas nossas abelhas nativas,será o nosso primeiro presidente da ANCASF.

Como vice-presidente, todos os presidentes das associações estaduais, passam a ter essa incumbência: Fortalecer a Meliponicultura em cada um dos nove estados que compõem a região nordeste, além de contribuir para a profissionalização do setor.




Sabemos das dificuldades que enfrentaremos nessa nova empreitada; mas com a determinação de sempre, e o amor pelas nossas abelhas nativas, vamos à luta!

Estavam presentes ao evento, grandes nomes da nossa Meliponicultura nordestina a nacional, o que abrilhantou ainda mais o momento.

Foi um dia maravilhoso, onde além de contribuir para o crescimento da Meliponicultura nordestina, eu passei momentos especiais, ao lado de pessoas como Chagas, Selma, Dr.Tertuliano Aires... E tantos outros nomes, que só engrandecem a atividade.


Abraço!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Melípona Quinquefasciata (Uruçu do chão.).


Amigos!


Mas uma vez,é com grande prazer que faço essa postagem sobre as nossas abelhas nativas.

No Brasil, existem “grandes” Meliponicultores, não pelo número de colônias que possuem, mas sim, pela forma dedicada que manejam e mantém suas abelhas e seis meliponários.


Dentre esses Meliponicultores, merece destaque o casal: Francisco das Chagas e Selma; pelo belo e importante trabalho de divulgação, multiplicação e defesa das abelhas nativas.




Eu tive o prazer de estar com elas durante as visitas que fiz ao meliponário São Saruê, e sempre fui recebido com a alegria e o carinho, que são marcas registradas desse casal.

No final do ano de 2015, uns colegas meus, foram conhecer o meliponário de Igarassu,PE  e na ocasião ficaram impressionados ao conhecerem a Melípona Quinquefasciata (Urucu do Chão).



Essa é uma abelha nativa, bem rara e que vem sendo salva da extinção graças ao esforço de Chagas;e de mais alguns poucos meliponicultores, que tem multiplicado a espécie e, principalmente tem conseguido conscientizar os agricultores que residem nas regiões de ocorrência dessa espécie; da importância de preservar e manejar essa espécie tão bonita e ameaçada!



Eles também publicaram uma cartilha sobre essa abelha nativa:INICIAÇÃO À CRIAÇÃO DE URUÇU DO CHÃO ,onde relatam as experiências com a criação dessa espécie e dão dicas importantes à respeito do manejo e criação racional.

A cartilha foi desenvolvida por :

*Francisco das Chagas Carvalho
*Selma Carvalho
*Marilda Cortopassi Laurino
*Tertuliano Ayres Neto. 


Por nidificar no chão, essa abelha sofre com os constantes “pisoteios” dos animais, a destruição de seu habitat, as queimadas e as ações dos “meleiros”, que para retirarem o mel, cavam o chão e deixam “as crias” expostas ao tempo; o que é fatal para essa colônia.



Essa abelha produz um mel muito apreciado, e por isso deve ser manejada de forma racional, pois só assim será possível multiplicar as famílias e ao mesmo tempo, preservar os ninhos naturais para garantir sua preservação, também na natureza!



Sempre que você encontrar um “ninho” de abelhas nativas, preserve-a e garanta a continuidade da espécie!

Só adquira abelhas nativas de Meliponicultores e/ou às retire de áreas que por acaso for haver desmatamentos ou a árvore onde está alojada a mesma corra algum perigo de cair!


Abraço à todos!
Paulo Romero.

Meliponário Braz.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Feliz 2016!


Feliz ano novo!


E, com o nascimento de um novo ano, também renasce em nós a esperança de um ano com chuvas regulares, para trazer de volta a alegria nos corações de todos os sertanejos e nordestinos!



Apesar de o nosso semiárido estar atravessando a maior estiagem dos últimos 100 anos, e as previsões climáticas indicarem que esse novo ano, continuará sem chuvas;mas em nós renasce a esperança ,e acredito que 2016 será um ano com boas chuvas.
Já na última semana de 2015, as chuvas começaram a cair em várias regiões do semiárido nordestino, e já começam a mudar o aspecto da caatinga.



As minhas queridas abelhas nativas; por serem adaptadas ao rigor climático, conseguem sobreviver coletando néctar e pólen nas plantas que florescem nessa época de estiagem: Juazeiro, quixabeira, imbuzeiro, pereiro, mufumbo e a algaroba, que não é nativa, mas é bem adaptada a região nordeste.




Quando as chuvas caírem em maior quantidade, eu vou aumentar a quantidade de plantas para fornecimento de pasto apícola, para as abelhas nativas: Moringa, mutre, amor-agarradinho, ora-pro-nóbis e maniçoba.

Essas plantas são bem adaptadas ao clima da região nordeste, e com um sistema de irrigação por gotejamento, conseguem produzir bem durante boa parte do ano, garantindo uma maior segurança para as multiplicações que pretendo retomar.




Desejo à todos os meus amigos,um 2016 abençoado e cheio de boas realizações!



Abraço a todos!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.







domingo, 27 de setembro de 2015

Selo comemorativo"Abelhas Brasileiras Melíponas".



Amigos!




    O Programa Semiárido em Foco, promovido pelo Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTI), no dia 16 de setembro de 2015, trouxe como tema de debate “As abelhas nativas do Brasil: conhecer para melhor protegê-las”!

Durante o evento, os Correios da Paraíba lançaram oficialmente no estado a emissão especial 2015 do selo comemorativo “Abelhas Brasileiras Melíponas – Abelhas sem ferrão”.





O evento contou ainda com uma mesa-redonda e a participação do pesquisador do INSA, João Macedo, a representante dos Correios, Francilene Alves;o meu amigo,o biólogo Jansen Brito, do Grupo de estudos e palestras sobre abelhas nativas (PRÓ-ASF),e eu,representando  a Associação de Meliponicultores do Estado da Paraíba (AMEL-PB).



Da esquerda para a direita o Superintendente dos Correios, José Antônio Trajano Vasconcelos, o diretor do Insa, Ignacio Hernán Salcedo, o biólogo Jansen Brito, da Pró-Asf, e o presidente da AMEL-PB, Paulo Romero.

Foi uma tarde muito proveitosa,onde a meliponicultura paraibana ,foi exaltada, defendida e mais uma vez,celebrada.

Eu compareci,com meus colegas da associação,Rênio e Herbert.


A  Meliponicultura paraibana e brasileira,só tem à agradecer aos correios e ao INSA,por esse lançamento e pelo convite para representar a nossa meliponicultura,junto com meu amigo Jansen,na “mesa redonda.”



Abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.




sábado, 4 de julho de 2015

Abelhas africanizadas e abelhas nativas.


Amigos!

Sempre me perguntam quais são as principais diferenças entre as nossas abelhas nativas e as abelhas africanizadas; e porque o mel das abelhas nativas apresenta um sabor diferente, marcante a encantador...?

Por isso resolvi fazer essa  postagem sobre esse tema importante.

As abelhas africanizadas (Abelhas com ferrão), como diz na descrição, apresentam o ferrão e, ao “picarem” ejetam a “apitoxina”(veneno das abelhas), que causa dor e inchaço local e em alguns casos pode levar a morte (Caso a pessoa tenha alergia à essa toxina,ou nos casos de serem crianças,idosos ou demais pessoas debilitadas).

Essas abelhas são boas produtoras de mel, pólen, própolis, geleia real e cera. São boas polinizadoras e visitam quase todas as flores; não apresentam seletividade, como acontece com as nossas abelhas nativas.


Esse é o principal motivo do sabor diferenciado do mel das abelhas nativas: As abelhas são muito seletivas e apresentam preferências florais, e essa preferência por determinadas flores, confere sabores e aromas únicos, aos méis produzidos por elas.


O mel produzido pelas abelhas nativas apresenta coloração, aroma e sabor que encanta e atrai cada vez mais, pessoas que buscam sabores exóticos e um produto considerado medicinal e requintado.

Mesmo entre as espécies de abelhas nativas, existem diferenças na cor, sabor e aroma dos méis, por elas produzidos.


Todas as espécies de abelhas devem ser preservadas, estudadas e protegidas, pois são os principais polinizadores das nossas matas e das culturas agrícolas. Além de produzirem alimentos(Mel e pólen) de ótima qualidade.


Abraço!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.



terça-feira, 21 de abril de 2015

Estudo pioneiro pode evitar extinção da abelha jandaíra.




Estudo pioneiro pode evitar extinção da abelha jandaíra A ciência está a um passo de traçar o zoneamento genético das populações da abelha jandaíra, uma das mais importantes produtoras de mel e pólen e com uma ativa ação de polinizar as plantas no Nordeste brasileiro.

 A Embrapa e a Universidade de Dalhousie, no Canadá, realizaram, neste ano, o sequenciamento do genoma da espécie, gerando os primeiros marcadores moleculares para a abelha jandaíra. O estudo foi publicado pelo jornal científico Conservation Genetics Resources.




 Pioneiro em todo o mundo, o zoneamento vai permitir, com mais segurança, a construção de estratégias de gestão e manejo da espécie, buscando sua conservação e seu uso sustentável em toda a cadeia produtiva.

Vítima da ação predatória do homem, a jandaíra é uma das espécies ameaçadas de extinção. O trabalho será concluído em 2016. Com os marcadores moleculares definidos, o trabalho do pesquisador Fábio Diniz, da Embrapa Meio-Norte (PI), está avançando para a montagem dos genomas nuclear e mitocondrial por completo.

 Quando essa etapa for concluída, segundo ele, abre-se uma porta para o melhoramento genético e novos estudos evolutivos da espécie. "O caminho agora é buscar uma plataforma para o equilíbrio populacional da jandaíra", sentencia o pesquisador.
 Abelhas sem ferrão, como a jandaíra, são responsáveis pela polinização de 30 a 60% das plantas da Caatinga, do Pantanal e de manchas da Mata Atlântica, importantes ecossistemas brasileiros.

 No entanto, segundo a pesquisadora Fábia Pereira, da Embrapa Meio-Norte, cerca de um terço das espécies dessas abelhas está em risco. O motivo é a degradação dos ecossistemas. "A conservação dessas espécies é uma necessidade, já que elas executam uma importante função na perpetuação da floresta e sua biodiversidade, como polinizadoras e parte integrante da teia alimentar", argumenta. O extrativismo predatório e o desmatamento sem controle, garante Fábia Pereira, têm levado à redução no número de colônias silvestres da espécie.

Pequenas populações de abelhas sem ferrão, de acordo com a pesquisadora, "podem sofrer declínio gradual, resultando em sua extinção local". A determinação da diversidade genética presente nas populações dessas abelhas é um pré-requisito para o estabelecimento de programas de manejo e conservação eficientes, como os cientistas buscam com o zoneamento do genoma da jandaíra, por exemplo.

 As etapas do sequenciamento.

 O trabalho pioneiro de sequenciamento do genoma da abelha jandaíra, no laboratório de biotecnologia da Universidade de Dalhousie, levou sete meses e contou com o professor e pesquisador Paul Bentzen na orientação da doutoranda Isis Gomes, que participa do programa de pós-graduação da Rede Nordeste de Biotecnologia (Renorbio). Em todas as fases, o estudo foi minucioso.

 A primeira fase, como revela a bióloga Isis Gomes, foi a mais simples. O DNA genômico total, segundo ela, foi extraído a partir do tórax de cinco abelhas coletadas no Nordeste brasileiro. As amostras foram então sujeitas a eletroforese, técnica de separação de moléculas em gel de agarose a 0,8%, para testar a quantidade e a qualidade do DNA. Nessa etapa, um único indivíduo com maior rendimento e qualidade de DNA foi selecionado para o sequenciamento. A partir daí foi criada uma biblioteca genômica, etapa mais complexa e que exigiu mais empenho.

 O passo seguinte foi o sequenciamento de DNA, realizado com um sequenciador de última geração, a tecnologia NGS - Next Generation Sequencing - MiSeq, da empresa norte-americana Illumina. Foram criados então 141.412 contigs, um conjunto de segmentos de DNA que, sobrepostos, representam uma região genômica de consenso a partir das 1.995.104 sequências curtas resultantes do sequenciamento (veja infográfico abaixo). A partir desses dados, foram identificados 6.422 locos microssatélites, que são regiões de repetição nucleotídica em blocos. Inicialmente, 52 locos foram testados para validação como marcadores moleculares.




 Nos marcadores polimórficos, segundo a bióloga, foi usado um conjunto de 56 abelhas de três populações nativas dos estados do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte para mais testes, buscando as estimativas de estatísticas básicas em nível de população. De 52 locos testados, apenas 17 foram identificados como polimórficos, apresentando várias formas (alelos), e seis como monomórficos, com apenas uma forma de apresentação.

 A análise de dados resultantes do sequenciamento do genoma da abelha jandaíra aponta para duas direções: a descoberta de populações geneticamente distintas da espécie em todo o Nordeste brasileiro; e a redução da variabilidade genética em algumas áreas da região, que é um forte indicativo de como a degradação ambiental, causada pelo desmatamento e o extrativismo predatório, afeta diretamente a espécie.

Esse estudo pôde revelar também mais um avanço da ciência quanto ao tempo e ao custo de se trabalhar o sequenciamento de um genoma. Hoje, com toda a tecnologia disponível, usando o NGS – Sequência de Última Geração – por exemplo, um genoma pode ser sequenciado no período de quatro a dez dias. Antes, segundo Fábio Diniz, os cientistas levavam até 15 anos para realizar esse trabalho, como foi com o projeto genoma humano.

O custo também reduziu muito. Há 10 anos, o sequenciamento de um genoma, em milhões de bases sequenciadas – Mb − não saía por menos de US$ 5 mil. Hoje, usando a tecnologia NGS, o valor não ultrapassa US$ 0.39 por Mb. Jandaíra, a "rainha do sertão" Apresentando coloração escura com listas amarelas no abdômen e medindo entre seis e sete milímetros, a abelha jandaíra é típica do sertão nordestino. É uma das mais conhecidas, por ser encontrada em todos os estados da região, do Semiárido ao litoral, e em áreas de restinga dos estados do Piauí e Maranhão.

 Por ser uma grande produtora de mel, além de ter importância ecológica como polinizadora, a espécie é conhecida entre os apicultores como a "rainha do sertão".

 Todo o Nordeste brasileiro reúne as características de clima e flora favoráveis à atividade apícola. "A produção de mel do Piauí, por exemplo, é baseada na flora nativa, que é rica e diversificada, propiciando a produção de méis com características diferenciadas", ressalta a pesquisadora Maria Teresa Rêgo, também da Embrapa Meio-Norte.
 Segundo ela, um ponto que eleva ainda mais as condições favoráveis da região à produção de mel é a sustentabilidade. As floradas das espécies nativas, de acordo com a pesquisadora, "são livres de agrotóxicos, propiciando um mel puro, livre de resíduos de produtos químicos, o que favorece a produção de mel orgânico".
 A flora nordestina é rica em espécies importantes como marmeleiro, mofumbo, angico-de-bezerro, bamburral, jurema e jitirana, encontradas em todos os estados da região.

A flora nativa e diversificada é o grande trunfo do Nordeste. "Com esse ambiente diversificado e favorável, o apicultor tem condições de migrar internamente com as colmeias, tendo um menor custo", destaca Paulo José da Silva, presidente da Cooperativa Mista dos Apicultores da Microrregião de Simplício Mendes, a segunda maior do Piauí e uma das mais importantes da região. Este ano, a cooperativa deve exportar 950 toneladas de mel, faturando cerca de seis milhões de dólares. Os Estados Unidos são o destino de praticamente toda a produção.

 O monitoramento das abelhas nas colmeias O comportamento das abelhas nas colmeias, de acordo com o clima e a época do ano, terá também um monitoramento efetivo pela Embrapa ainda em 2014. Um equipamento desenvolvido em parceira com a Universidade Estadual do Piauí vai permitir que cientistas conheçam as condições de temperatura que as espécies enfrentam e que influem no comportamento delas e na produção de mel no dia a dia. Esse equipamento, que ainda não foi batizado, é um dispositivo de monitoramento formado por sensores de temperatura, baterias, rádio de comunicação, um cartão de memória e um fio conectado à colmeia. O tráfego de informações obedece a um rito simples: os dados são coletados na colmeia, em meio à vegetação; em seguida, repassados via rádio para uma central instalada na Embrapa Meio-Norte e conectada à internet. De lá, as informações ficam armazenadas em um site que funcionará com um banco de dados.

 A construção do dispositivo, estruturado numa caixa de plástico medindo 11 centímetros de largura por 16 centímetros de comprimento, teve um custo estimado de R$ 200,00. O aparelho entra em operação até o final deste ano, para testes, durante 24 horas por dia.
 A ideia do professor Carlos Giovanni Nunes de Carvalho, que coordena o projeto, é substituir o manejo executado pelos pesquisadores, como, por exemplo, a instalação manual de termômetros nas colmeias, para que eles possam acompanhar o nível de estresse das abelhas sem a ameaça de um acidente. Carlos Giovanni, que trabalha com uma equipe de cinco bolsistas em nível de graduação, mestrado e doutorado, no laboratório Opala, do campus Torquato Neto, da Universidade Estadual do Piauí, em Teresina, quer avançar ainda mais no estudo. Ele quer captar também a umidade no interior das colmeias, o gás carbônico, para medir o nível de poluição, e todos os sons gerados pela movimentação das abelhas.


 "No futuro, queremos ainda colocar no dispositivo um vídeo infravermelho para melhorar o monitoramento nas colmeias", projeta o professor. Fernando Sinimbu (MTb 654/PI).


  Embrapa Meio Norte meio-norte
.imprensa@embrapa.br
 Telefone: (86) 3198-0518
 Mais informações sobre o tema
 Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
 www.embrapa.br/fale-conosco/sac/



 Abraço!
 Paulo Romero.
 Meliponário Braz.

sábado, 24 de janeiro de 2015

O clima no semiárido nordestino ,e os cuidados com as abelhas nativas.



Amigos! 


Infelizmente as previsões climáticas, para o semiárido brasileiro não são animadoras e, se essas previsões se confirmarem, a situação ficará muito complicada para os todos os seres que vivem nesse importante bioma;que por sinal é a região semiárida mais habitada do mundo.



Imburana de cambão,no meio da caatinga.




Além da falta de alimento para os animais (Domésticos e silvestres),a falta de água está se tornando um grave problema, pois em muitas regiões, os reservatórios (Açudes e barragens)já estão com níveis de água crítico, e o abastecimento d'água está ameaçado.



Uma das alternativas, para essa falta d'água, seria a perfuração de poços ;só que esse serviço deveria ser realizado pelos órgãos públicos , mas quando existe alguma ação nesse sentido,essa ação acontece de forma bem tímida (Pelo menos, aqui na Paraíba),e essas ações são insuficientes para amenizarem os efeitos da grande estiagem que estamos atravessando.


Com a estiagem prolongada ,todos os "seres da caatinga" sofrem; e as abelhas nativas ,apesar de serem adaptadas à essa região ,não conseguiram armazenar alimento suficiente ,nos anos anteriores ,para se manterem saudáveis e ativas ,e por isso, precisam dos cuidados dos meliponicultores.

É imprescindível a alimentação complementar de subsistência ,para que as colônias possam atravessar mais esse período de escassez dos alimentos naturais (Néctar e pólen) ,de forma tranquila e sem haver perdas de famílias ,pela falta desses alimentos.



 Flores de jurema.



Flores de marmeleiro.




 Imbuzeiro,com frutos.

O meliponicultor deve acompanhar as colônias com cuidado, e sempre que houver necessidade ,deve fornecer alimentação artificial (Energética e proteica) ,para que as abelhas continuem a realizar as suas "tarefas" de forma natural e sem haver o "enfraquecimento" das colônias.


Essa alimentação artificial complementar, já é bem conhecida e divulgada pela maioria dos meliponicultores e é preparada à base de açúcar e água ,sendo duas partes de água, para cada parte de açúcar (Alimentação energética).
Alguns meliponicultores utilizam uma parte de açúcar para uma parte de água ;mas eu utilizo essa receita que acabei de escrever ,e as abelhas aceitam muito bem e "respondem "de forma positiva ao trato com essa mistura.


Colônia de jandaíras.

Já a alimentação proteica, é composta por ingredientes que possam "substituir" o pólen (Indispensável para o desenvolvimento e a manutenção da colônia).

Pode-se utilizar pólen de Apis ,misturado com mel e servido às abelhas ,ou levedo de cerveja ,também mistura-se com mel e servido no interior da "caixa" .Após a mistura do pólen de Apis,com o mel,coloque um pouco do pólen das Abelhas nativas,retirados dos potes lacrados;para que os microrganismos presentes nesse pólen,ajudem na estabilização da mistura.

Existem meliponicultores utilizam extrato de soja ,para preparam esse alimento ,mas eu particularmente não utilizo esse extrato , pois a soja produzida em nosso país ,é "transgênica", ou seja, modificada geneticamente ,e não sabemos ainda quais as consequências que o consumo desses grãos, pode trazer para nós, nem para as abelhas e demais animais.


Além da alimentação complementar ,as abelhas precisam de sombra ,pois as altas temperaturas e os raios solares, atingindo diretamente as "caixas" , irão matar as crias novas, derreter o cerume e levar à morte dessas famílias;como acontece com certa frequência nessas épocas de grandes estiagens.


Embora as abelhas nativas não utilizem muita água ,como as Apis ,é sempre bom manter um reservatório com água ,próximo ao meliponário ,para que as abelhas possam coletar a água que necessitam para misturar á terra coletada ,e que utilizam para diminuir o espaço interno;para escurecer o interior da caixa,caso haja alguma entrada de luz;para confeccionar a estrutura da entrada e  para ajudar no controle da temperatura interna.

É importante que esse reservatório contenha água de boa qualidade e, que  tenha alguns "gravetos",para evitar que as abelhas se afoguem.


O importante é o meliponicultor ,conhecer o manejo racional e estar sempre acompanhando o desenvolvimento de suas colônias ,para que possa interferir ,caso seja necessário.



 Termino essa postagem ,esperando que essas previsões de seca ,não se confirmem e que o nosso semiárido volte a exibir o seu verde encantador ;animando o sertanejo e trazendo de volta a exuberância da vida ,com toda a sua explosão de sons,cores e aromas.




Abraço. 
Paulo Romero. 
Meliponário Braz. 

domingo, 18 de janeiro de 2015

A meliponicultura paraibana e o futuro da atividade.

Amigos!

No último domingo,dia 11/01/2015,à convite de meu amigo Moacir Leal,estivemos no Meliponário Escola,da prefeitura municipal de João Pessoa-PB.;para a troca de experiências sobre as nossas abelhas nativas.



Estiveram presentes à esse encontro,meliponicultores paraibanos e alguns amigos do estado vizinho Rio Grande do Norte;(Kalhil e Leandro Moreira).


Eu e Kalhil.

Durante esse encontro;manifestamos a vontade e a necessidade de criação da nossa Associação de Meliponicultores da Paraíba (AMEL-PB).



Foi uma ocasião onde pudemos debater a atual situação da nossa meliponicultura;nas diversas regiões da Paraíba e escutar a opinião daqueles que querem o crescimento de forma sustentável dessa importante atividade.


Nos encontraremos novamente no próximo dia 22/02/2015;e dessa vez,para a fundação da nossa AMEL-PB.



Estamos trabalhando para que essa atividade seja conhecida,respeitada e  praticada, dentro das boas práticas de manejo sustentável.E que os meliponicultores paraibanos,após a organização do setor,possam colher "os frutos"dessa bela atividade;garantindo rentabilidade e produtividade de forma ecologicamente correta e ambientalmente responsável e sustentável.



Tenho certeza que,com a união de todos aqueles amantes das nossas abelhas nativas; a Meliponicultura paraibana,conseguirá "escrever" um novo capítulo na história da Meliponicultura nordestina e nacional.


Abraço!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Congresso Nacional de Apicultura e Meliponicultura 2014.

Amigos!


A meliponicultura brasileira está ganhando força e investimentos em pesquisas; isso pôde ser visto durante o Congresso Brasileiro de Apicultura e Meliponicultura, ocorrido entre os dias 05 e 08 de Novembro de 2014, em Belém, Pará.



Eu e meu amigo Moacir Leal,fomos participar desse congresso tão importante para todos nós meliponicultores e amantes das abelhas nativas.



Foi um evento muito bom; onde a Meliponicultura teve o seu espaço garantido e apresentou um grande número de meliponicultores de todas as regiões do país e de muitos países do mundo.

Aldifran,eu,Paulo Menezes,João Paulo e Moacir Leal.


 Durante os dias do evento, houve muita troca de experiências e de informações entre os participantes das diversas regiões do Brasil. Essa troca de experiência é muito interessante, pois sempre estão surgindo novas tecnologias, e elas são repassadas para facilitar e melhorar o manejo com as abelhas nativas.

 José Halley(AME-Rio),eu,Dr.Rogério e João Paulo.

Nos dias que ficamos lá; aproveitamos e fizemos alguns passeios por Belém, para conhecermos melhor essa  bela e "aconchegante" cidade.



Como sempre acontece, encontramos amigos e aproveitamos a ocasião para botar a conversa em dia.


Um dos momentos de maior importância para mim foi à visita feita à Embrapa Amazônia Oriental, para conhecer o meliponário e compartilhar da presença de dois grandes estudiosos das nossas abelhas nativas; os pesquisadores, Giorgio Venturieri e Cristiano Menezes.



Eu e o Dr. Cristiano Menezes.


Eu e Dr.Giorgio Venturieri.


Esses dois pesquisadores, foram muito pacientes, simpáticos e tiram as dúvidas dos presentes, com a maior boa vontade possível.

Realmente essa visita vai ficar marcada em minha memória e nos registros fotográficos.




Em 2015,acontecerá o Congresso Nordestino de Apicultura e meliponicultura,em Pernambuco e em 2016 no Ceará,o Congresso Nacional e mais uma vez,estarei participando e ajudando na divulgação e defesa da meliponicultura.


Abraço!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.







sábado, 1 de novembro de 2014

Congresso brasileiro de Apicultura e Meliponicultura 2014.

Amigos!


Na próxima semana, entre os dias 05 e 08 de novembro, acontecerá um grande evento para a Apicultura e a Meliponicultura brasileira, é o Congresso brasileiro de Apicultura e Meliponicultura, que esse ano vai  realizar-se em Belém, Pará.




Não tenho dúvidas que esse congresso será de grande importância para debater os avanços e os problemas do setor, e tentar encontrar as melhores soluções.

Essa troca de experiências entre os criadores das diversas regiões do Brasil e do mundo, só irá enriquecer ainda mais os constantes debates em favor dessas atividades, tão importantes para a geração de emprego e renda; e principalmente para o nosso meio ambiente,por contribuírem com o aumento da produtividade das nossas frutas e ajudarem no aumento da biodiversidade;pois as abelhas são os principais polinizadores das árvores nativas e frutíferas,em nosso país.

Com as graças de DEUS, estarei lá, e espero aproveitar ao máximo esse encontro, para ir aprimorando os meus conhecimentos sobre as nossas abelhas nativas, e reencontrar amigos “reais” e “virtuais”.

Após o congresso, farei uma postagem contando os detalhes desse evento!

Abraço!
Paulo Romero.
Meliponário Braz.