quinta-feira, 13 de maio de 2010

Abelha moça branca.


Dentre as espécies de abelha nativa,que eu tenho atualmente,existe uma que para mim é muito especial:é a moça branca.

Eu considero essa abelhinha especial,porque,apesar de ser bem pequena,ela é muito forte,rústica,boa produtora de mel e com grande poder de recuperação de suas colónias.

Elas produzem em média um litro de mel,por ano,mas podem tranquilamente chegar a dois litros se houver boa florada.

Por pertencerem ao grupo das trigonas;elas para serem divididas precisam de uma realeira(no caso,casulo real),do contrário não se obtém êxito na divisão.Esse casulo,é facilmente reconhecido pelo meliponicultor,pois tem o tamanho bem maior que os demais(o dobro)e só existe um ou dois por colônia,dependendo da época do ano.

Para localizar o "casulo real",deve-se ter muito cuidado e paciência,senão perde-se muitas crias,que são muito frágeis e se "quebram"com facilidade.

São abelhas muito mansas,portanto indicadas para criação racional,pois não "mordem" e isso facilita muito o manuseio da caixa,no momento das revisões e da coleta do mel.
Devido à esse comportamento,elas são indicadas para aulas de educação ambiental.

Essa abelhinha ainda é encontrada com certa facilidade por aqui,inclusive, algumas pessoas a chamam de “mosquito”(quando na realidade,o mosquito seria plebeia).



Um fato que me chama atenção,é que a maioria dos seus ninhos são encontrados em imburana,árvore que tem grandes ocos;o que se imaginaria era que,por ser a moça branca bem pequena,ela utilizaria árvores mais finas,como a catingueira,por exemplo.

Recentemente,eu encontrei duas colónias em troncos de imburana;uma dessas colónias à +ou- dois metros de altura e outra,com um metro de altura(a entrada da colónia).

Só quem conhece essa abelha,para ver o quanto a sua cera é macia,fácil de ser manipulada,cheirosa(com um cheiro muito grande de resina de imburana);e o sabor de seu mel,um gosto ácido,que também lembra a imburana,segundo o povo do cariri,esse é um dos méis mais medicinais que nós temos;com a palavra os estudiosos.


Para mim esse mel é muito bom,sempre que estou por lá,tiro um pouquinho pra saborear.

Outra cacterística dessa abelha são suas crias,ao invés de serem em discos como estamos acostumados a ver;são em forma de cachos,realmente muito bonitas.

Eu utilizo caixas racionais de dois modelos,para essa abelha:uma horizontal,que mede 40cmx15xcmx15cm/.E outra vertical:20cmx20cmx25cm,de altura.

Deve-se colocar uma folha de acetato,por baixo da tampa da caixa,pois,por ser transparente,permite uma boa visão do interior da caixa,sem a necessidade de interferir diretamente no equilíbrio da colônia.Por cima desse acetato,coloca-se um emborrachado escuro e depois a tampa.



OBS.:As duas colónias naturais,que eu encontrei em imburanas,continuam exatamente no mesmo lugar,pois,jamais eu iria cortar o tronco de uma árvore como a imburana,para tirar essas abelhas(nem permitirei que ninguém as tire)elas são bem perto de casa e servirão de atração para meus amigos,que vem nos visitar,e não conhecem essa abelha,em seu estado natural.

Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.

Postar um comentário