segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Visita à criadores de uruçu. nordestina.


Nada melhor que passar o final de semana em meio as abelhas nativas,e,obviamente batendo um bom papo com os amigos meliponicultores.

No dia 13,do mês passado,eu fui visitar,e conhecer,mais um meliponicultor(o Léo Pinho,criador de uruçu,em Igarassu,PE)

O meu amigo Tadeu Leite,sempre me falava que nós precisávamos visitar outros meliponicultores,para trocar experiências e conhecer novas técnicas de criação.

Após uma conversa,eu entrei em contato com o Léo,querendo saber da possibilidade de nós írmos conhecer seu meliponário...,pra surpresa minha,pois estava muito "em cima da hora",...ele me disse que seria um prazer,e que só dependia de nós,o dia e a hora...,já marcamos para o outro dia.

Ao comentar com meu sobrinho(Lucas),ele me disse da vontade de também ir comigo,nessa viagem.

Saimos no sábado de manhã,eu,Lucas e Tadeu,com destino à Igarassu.

Léu,me passou todas as informações necessárias para chegármos a sua chácara...,ele me passou um verdadeiro mapa,rsrs.

Como a chácara de Léo ficava próxima a de Chagas(na realidade,um pouco depois),resolvemos fazer uma visita ao mestre das uruçus nordestinas(melípona scutellaris).

Chegamos ao restaurante,que fica próximo ao seu meliponário,e Tadeu perguntou se Chagas estava por ali,ou se estava na serra do araripe(PE),onde tem uma propreidade rural e se dedica as pesquisas com uma espécie de abelha muito rara(a uruçu da terra)...,pra surpresa nossa,o rapaz do restaurante nos disse que Chagas estava em seu meliponário,que fica por trás do restaurante.

Nos encontramos com um funcionário e amigo do Chagas,e ele nos recebeu muito bem,afinal Tadeu adquiriu suas colônias matrizes do Próprio Chagas,e por isso,sempre fazia visitas,até tornár-se amigo das pessoas dali.

O rapaz,nos levou até o meliponário,onde encontramos Chagas e outro funcionário prontos para fazer algumas divisões.

Uma coisa que me chamou atenção,foi a simplicidade de Chagas e a alegria,que nos
recebeu,após Tadeu apresentar à mim e à meu sobrinho,o mestre quis saber das minhas experiências com abelhas nativas,então lhe falei das jandaíras,cupiras,moças brancas,urucus...,ele me incentivou a continuar com minha criação...,inclusive aumentando o número de caixas...,mas ele deu atenção especial à meu sobrinho,pois disse que só assim,com novos meliponicultores,poderemos garantir o futuro das abelhas nativas.

E assim,meu sobrinho teve o privilégio de receber uma aula particular do maior criador de uruçu nordestina(melipona scutellaris),e um dos mais respeitados meliponicultores do Brasil,Francisco das Chagas.


Um dos meliponários de Chagas(Igarassú,PE).

Realmente, é impressionante a simplicidade e a forma apaixonada como o Chagas fala das abelhas nativas,que sirva de exemplo para a nova geração de meliponicultores.


Eu,de chapéu e Chagas.

Passamos uma boa parte da manhã,na companhia prazeirosa do Chagas...,mas nos despidimos e continuamos nossa viagem,até a chácara do Léo.

Após alguns minutos,chegamos à belíssima chácara do Léo,(como demoramos lá em Chagas,Léo já estava pensando nós teríamos nos perdido).

Fomos recebidos de forma calorosa,pelo Léo e por sua mãe...,e já fomos olhar algumas abelhas que estavam próximas da casa..,uma jandaíra e uma mandaçaia,que ele recebeu de presente de um amigo...,além de um mosquito(plebeia).

Léo nos chamou para conhecer seu meliponário,que fica em meio a uma mata muito preservada e linda...,fomos caminhando por entre árvores de médio e grande porte...,e comentando que naquela mata,ele terá muito sucesso na sua criação de uruçus...,o ambiente é fabuloso.


Meliponário de Léo.

Aproveitamos,que estávamos na meliponário e fizemos algumas revisões,fizemos perguntas uns aos outros,com relação ao manejo com as abelhas,alimentação,defesa contra os forídeos,tipos de caixas utilizadas e planos para o futuro da criação...,eu fiquei muito feliz em ver que Léo é um cara novo,mas com uma grande vontade de preservar a natureza ao seu redor,inclusive ,ele tem planos de comprar áreas vizinhas,só com a intenção de preservar a manter as áreas intocadas...,um belo exemplo.

Após algum tempo,no meliponário,o pai de Léo,foi nos encontrar,e voltamos para a casa de carro...,onde encontramos o irmão de Léo e algumas pessoas amigas da família.

Depois de um dia maravilhoso,fomos convidados para um almoço,com toda a família e amigos do Léo,ao lado de um rio,e com a natureza exuberante ao nosso redor,e com uma comida maravilhosa,preparada pela mãe do Léo.


Da esquerda,pra direita:Tadeu,o pai de Léo,a mãe,Léo e eu de chapéu..,Lucas não está na foto,porque era o fotógrafo,rsrs.

Eu já fiz algumas visitas à meliponicultores,mas essa foi especial,pois,conheci Chagas e Léo...,um é o maior especialista em uruçu nordestina,da atualidade e o outro,representa o futuro dessa criação...,e porque não,o futuro da meliponicultura nacional.


Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.
João Pessoa,PB.
Postar um comentário