domingo, 20 de setembro de 2009

A abelha cupira(Partamona seridoensis).



Foto tirada por Paulo Romero,em São João do Cariri,PB.
(Observe as abelhas na entrada de sua morada natural:um cupinzeiro)

CRIAÇÃO DE ABELHA CUPIRA


Fazem alguns anos,que eu crio a abelha cupira(partamona seridoensis),em caixas racionais,e estou muito intusiasmado com os resultados obtidos,nesses anos.Elas quase não saõ estudadas,pelos"doutores",apenas existem algumas referências,que muitas vezes,são falhas,pois eu mesmo posso provar que,muitas observações,que são feitas à respeito dessa espécie,não correspondem a verdade...

Para quem não conhece,essa abelha contrói seus ninhos em cupinzeiros ativos ou não,e tem um mel fino e muito apreciado por seus usos na medicina popular,sua cera(cerume)é bem mais dura que a da jandaira,e elas são bem defensivas(bravas).


Por construir seu ninho no cupinzeiro de barro(Temriteiros/Morada de cupins)o tipo de caixa usada para esse tipo de abelha tem que ter uma expessura da madeira um pouco maior;para se aproximar da temperatura do interior do cupinzeiro,que se mantém constante,não importando a temperatura ambiente,faça chuva ou faça sol a temperatura no interior do cupinzeiro se mantém estável.

As madeiras que eu uso para construir as caixas racionais são o pinho ou o louro,por serem fáceis de trabalhar,e as abelhas aceitam muito bem (o pinho tem que está muito bem seco,para diminuir o seu cheiro forte e não criar mofo).


Algumas vezes,quando eu encontro uma umburana seca,e que dá para fazer tábuas com certeza eu uso,pois,é uma madeira ótima e as abelhas já aprovaram esse tipo de casa,por ser a mais usada por elas(claro que a cupira não faz seu ninho na umburana);como já foi dito ela constrói seu ninho exclusivamente no cupinzeiro;quem aprovou a "morada"foram as outras abelhas,inclusive a africanizada (apis mellifera).


"Eu tenho lido em alguns sites,que meliponicultores usam a umburana para construir as caixas para abelhas nativas.Temos que ter cuidado com esse tipo de informação,pois como toda árvore nativa,a umburana é protegida por lei.E,portanto,só pode ser usada se já estiver seca na natureza,pois quando elas estão muito velhas ,secam e aí sim,podem ser utilizadas sem problemas.


A abelha cupira produz pouco mel,em média um litro,dependendo das floração,mas seu mel é considerado um dos mais medicinais,sendo muito procurado,em todo o interior da minha Paraíba.

Eu tenho muito interesse nela principalmente pelo desafio de dominar as técnicas de manejo,e também para evitar a sua extinção,pois com os métodos de colheita do mel usados na minha região as abelhas estão ameaçadas.Como acontece na maioria dos lugares,quando se encontra uma cupira(não interessa em que época do ano),o cupinzeiro é quebrado,para tirar o mel,(que muitas vezes é quase nada,devido a época não ser propícia para coleta de mel).Ou seja,a "cupira" teve o seu ninho destruído pra nada.


E isso acontece com frequência ,a maioria das pessoas não se preocupam com os danos que estão causando as abelhas,destruindo seus ninhos,matando seus filhos e as próprias abelhas,que morrem quando o cupinzeiro está sendo quebrado a machadadas.

Eu começei a minha criação de cupiras,quase por acaso,pois um cupinzeiro foi quebrado(ele estava em uma cerca que foi reformada)e nele havia uma cupira,então não tive dúvidas:peguei a caixa e coloquei as crias lá dentro,organizei tudo e não é que deu certo.

Claro que quando eu perguntava,aos meliponicultores experientes,se a cupira poderia ser criada em caixas racionais,a resposta era sempre a mesma:não.
E eu ficava,só pensando comigo mesmo,grandes meliponicultores,nem sabem que eu já as crio faz algum tempo,e tudo está dando certo.

CAIXA PARA ABELHA CUPIRA(partamona seridoensis)



Um dos principais problemas enfrentados por todas as pessoas ,com quem eu já troquei experiências ,é o tipo de caixa que a cupiradeve ser transferida,pois vários modelos já foram usados;paresse que deu tudo certo,as abelhas trabalham normalmente,chegam a passar até um ano na nova moradia,mas de repente,sem nenhum motivo aparente elas simplesmente abandonam a caixa .



Com certeza a espessura da madeira utilizada para fazer a caixa,interfere na adaptação da abelhas.Eu estou fazendo experiências com alguns modelos de caixas diferentes.





Em breve estarei fazendo mais postagens á respeito dessa abelha tão adorável,e tão querida por mim.

Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.
Joaõ Pessoa,PB.
Postar um comentário